Conheça Camocim

Camocim Ceará

Camocim é uma cidade do estado do Ceará, Brasil. Localiza-se na microrregião do Litoral de Camocim e Acaraú, mesorregião do Noroeste Camocinense. O município tem quase 60 mil habitantes e 1158 km². É a terra do aviador Pinto Martins.

  • Etimologia
  • História
  • Etimologia
  • Histórico
  • Formação Administrativa
  • Geografia
  • Informações gerais

O topônimo Camocim vem do Tupi Guarani e segundo Silveira Bueno: cambucy, camucym ou camotim vem do Tupi Guarani e significa buraco para enterrar defunto ou pote (vaso em geral). Há quem considere camotim como a urna funerária dos indígenas, também chamada de igaçaba Gonçalves Dias traduz igaçaba como louça. É costume os moradores desta cidade serem chamados de coró (peixe abundante na região), assim como os moradores da cidade de Granja são conhecidos como cangati. Sua denominação original era Barra do Camocim e desde 1879, Camocim.

A área na qual Camocim localiza-se é um território de uma rica história de intercambio e conflitos entre povos. Os primeiros habitantes foram os indígenas de várias etnias, tais como os Tremembé, Tabajara, Jurema, Jenipaboaçu, Cambida.

Os portugueses chegaram nestas bandas, a partir da segunda metade do Século XVI, com diversos intuitos: um reconhecimento completo da região a partir de Tutóia no Maranhão aos limites finais entre Ceará e Rio Grande do Norte(a barra do rio Camorim, por exemplo foi cartografada com o nome de Rio da Cruz); Como base de apoio para a ocupação do litoral, bem como base de apoio para confrontos militares com os franceses que ocupavam o Maranhão. Deste momento histórico existem várias cartas topográficas datadas dos séculos XVII. Por exemplo: em 1604, Pero Coelho de Souza, passou nestas bandas com rumo a Ibiapaba e as batalhas no Maranhão.

Depois da segunda metade do século XVII, surge o projeto de construir o Forte em Camocim com a intenção de proteção dos ataques dos índios e do piratas, porém este projeto não foi adiante. A Barra do Camocim como núcleo urbano vai consolida-se com a traferêcia da Missão de da Tabainha. Um empreendimento do padre Ascenço Gago, com o intuito de aldaiar os Tremembé e outra etnias.

A partir de 1792, chegam a Barra do Camocim, famílias oriundas de Tutoia, as quais implementaram a agricultura e pecuária na região. Em 1868, foi criado o distrito policial e desta forma Camocim consolida-se como núcleo urbano.

E o que vai definitivamente consolidar Camocim como centro urbano e econômico é a construção da Estrada de Ferro de Sobral-Camocim a partir de 1879 e porto.

O topônimo Camocim vem do Tupi Guarani e segundo Silveira Bueno: cambucy, camucym ou camotim vem do Tupi Guarani e significa buraco para enterrar defunto ou pote (vaso em geral). Há quem considere camotim como a urna funerária dos indígenas, também chamada de igaçaba Gonçalves Dias traduz igaçaba como louça. É costume os moradores desta cidade serem chamados de coró (peixe abundante na região), assim como os moradores da cidade de Granja são conhecidos como cangati. Sua denominação original era Barra do Camocim e desde 1879, Camocim.

Situada ao sul da capitania doada em 1535 ao historiador João de Barros, associado a Aires da Cunha e Fernando Alvares de Andrade, a região do Camocim permaneceu praticamente indevassada até 1792, quando se registraram tentativas de aldeamento dos índios tremembés, que dominavam a costa.

Procedente de Tutóia, ali chegou, naquele ano, acompanhado da família, Gabriel Rodrigues da Rocha, com o objetivo, ao que se sabe, de dedicar-se a prático da barra. Entre 1838 e 1873, diversas famílias, inclusive algumas imigradas do interior, fixaram-se na região, atraídas pelo litoral, onde esperavam encontrar terras férteis.

Aos poucos, desenvolveu-se o primitivo núcleo humano. De simples distrito policial, criado por volta de 1868, passou Camocim à categoria de distrito de paz, em 1878, e um ano depois, à de Município.

Gentílico: camocimense

Distrito criado com a denominação de Camocim, por ato provincial de 02-09-1873.

Elevado à categoria de vila com a denominação de Camocim, pela lei provincial nº 1849, de 29-02-1879, desmembrado de Granja. Sede no núcleo de Camocim. Constituído do distrito. Instalada em 08-01-1883.

Elevado à condição de cidade com a denominação de Camocim, pela lei provincial nº 2162, de 17-08-1889.

Pelo ato 11-02-1890, é criado o distrito de Guriú, e anexado ao município de Camocim.

Pelo ato estadual de 26-03-1892 e por lei municipal nº 3, de 30-03-1893, é criado o distrito de Almas e anexado ao município de Camocim.

Pelo ato provincial de 07-06-1893 e por lei municipal nº 3, de 30-03-1893, é criado o distrito de Barroquinha e anexado ao município de Camocim.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído de 4 distritos: Camocim, Almas, Barroquinha e Guriú.

Pelo decreto estadual nº 1156, de 04-12-1933, o município de Camocim adquiriu o distrito de Chaval do município de Quixaramobim.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município é constituído de 5 distritos: Camocim, Almas, Barroquinha, Chaval e Guriú.

Assim permanecendo em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937

Pelo decreto-lei estadual nº 1114, de 30-12-1943, o distrito de Almas passou a denominar-se Bitupitá.

Em divisão territorial datada de I-VII-1950, o município é constituído de 5 distritos: Camocim, Barroquinha, Bitupitá ex-Almas, Chaval e Guriú.

Pela lei estadual nº 1153, de 22-11-1951, desmembra do município de Camocim o distrito de Chaval. Elevado à categoria de município.

Em divisão territorial datada de I-VII-1955, o município é constituído de 4 distritos: Camocim, Barroquinha, Bitupitá e Guriú.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de I-VII-1960.

Pela lei estadual nº 6553, de 01-07-1963, desmembra do município de Camocim o distrito de Barroquinha. Elevado à categoria de município.

Pela lei estadual nº 6385,de 04-07-1963, desmembra do município Camocim o distrito de Bitupitá. Elevado à categoria de município.

Pela lei estadual nº 6397, de 03-07-1963, é criado o distrito de Amarelas e anexado ao município de Camocim.

Em divisão territorial datada 31-XII-1963, o município é constituíido de 3 distritos: Camocim, Amarelas e Guriú.

Pela lei estadual nº 8339, de 14-12-1965, o município de Camocim adquiriu os extintos municípios de Barroquinha e Bitupitá, como simples distrito, pois foram criados e não instalados.

Em divisão territorial datada de 3I-XII-1968, o município é constituído de 5 distritos: Camocim, Amarelas, Barroquinha, Bitupitá e Guriú.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de I-VII-1983.

Pela lei estadual nº 11432, de 11-05-1988, desmembra do município Camocim os distritos de Barroquinha e Bitupitá, para formar o novo município de Barroquinha.

Em divisão territorial datada de 17-I-1991, o município é constituído de 3 distritos: Camocim, Amarelas e Guriú.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Subdivisão

O município tem 2 distritos: Amarelas e Guriú.

Geografia

Clima Tropical quente sub-úmido com pluviometria média de 1.350 mm com chuvas concentradas de janeiro à abril.

Hidrografia e recursos hídricos

As principais fontes de água são: Baía de Camocim, Lago Grande, do Boqueirão, da Moréia, Lagoa Cangalha e Inhanduba, Córrego da Forquilha, Rio Coreaú, Trindade, P. Maceió, Imburava. Embora alguns desconheçam as praias da Tatajuba, do Guriú, dos Remédios e do Xavier são pertencentes ao município de Camocim e não ao município de Jijoca de Jericoacoara como muitos pensam pelo fato de terem localização geográfica próxima e também por Jericoacoara ter um fluxo de turistas intenso, que acabam fazendo também esta rota.

Relevo e solos

Região costeira (Areias Quartzosas Álicas, Areias Quartzosas Distróficas, Areias Quartzosas Eutróficas,Areias Quartzosas Marinhas Distróficas, Podzólico Vermelho Amarelo Eutrófico) formada de dunas. Não possui grandes elevações.

Vegetação

A boa parte do território é coberto pela caatinga arbustiva aberta e densa, mais ao interior, e por tabuleiros costeiros, bem como por cajueiros e zona de coquerais mais próximos ao litoral. Apresenta também regiões de caatinga arbustiva e mangue próximo à foz dos rios: Coreaú, São Mateus, do Meio, da Fortuna, Inhanduba, Pesqueiro, Palmeira e dos Remédios.

Economia

As bases da economia do município são extração de sal marinho e a pesca, complementadas pela cultura de caju, arroz sequeiro, mandioca e feijão. Pecuária: bovino, suíno e avícolo. Indústrias: 20(uma têxtil, cinco extrativas minerais, uma de perfumaria, sabão e velas, uma editorial e gráfica, oito de produtos alimentares, uma de vestuário, calçados e artigos de couro e peles).

Cultura

Os principais eventos são:
Festa do Bom Jesus dos Navegantes – Padroeiro (novembro),
Carnaval (fevereiro),
Festival de Violeiros (abril),
Festival de Quadrilhas (junho),
Procissão Marítima de São Pedro (29 de junho),
Festival de Música (julho),
Festa da Lagosta e escolha da Rainha da Lagosta (julho),
Aniversário de Camocim (setembro),
Festa do Município (setembro),
Regata de Canoa (setembro),
Festa de São Francisco (outubro)
Festa e novenas do Bom Jesus dos Navegantes – Padroeiro (novembro)
Regata Ecológica de Tatajuba (novembro),
Festa do Caju.
Ps.: No calendário a Festa do Bom Jesus é em janeiro, mas a comemoração com as novenas acontecem no mês de novembro.

Significado do Nome
Buraco para enterrar defunto

Aniversário da Cidade
29 de Setembro

Clima
Quente

Temperatura Média
26º C

Localização
Município do Noroeste do Estado do Ceará

Limites
Granja, Cruz, Bela Cruz, Jijoca, Barroquinha e Oceano Atlântico

Acesso Rodoviário
BR-222, BR-402, CE-085 e CE-362

Distâncias
347 km da Capital